ARAP

De Tarcílio de Souza Barros

Selma Morente

Elias Andreato é um ator nato. Sua versatilidade de interpretar inumeráveis personalidades em peças teatrais de envergadura lhe concede o galardão de um dos melhores atores no cenário teatral brasileiro. Soma ao seu profícuo profissionalismo além de ator de teatro, de cinema, televisão, roteirista, ser diretor.

Em cena temos a satisfação de assistir a peça teatral ‘Arap’, um espetáculo mostrando a preparação de personagem e de como o artista usa seu ofício para questionar o seu tempo através da dramaturgia e pensamentos, colocando a arte e a educação como virtude prioritária.

Ouvimos Elias Andreato, que disse ser seu novo projeto uma reflexão sobre seu nobre ofício uma declaração de amor ao teatro.

Em um monólogo rico na arte de interpretação, com um gestual, uma postura e expressões faciais tipicamente shakesperianas levava o espectador à atenta atenção do texto. Esse texto narrado obteve de uma compilação de frases, sentenças, outras obtidas em apontamentos e manuscritos de seu mestre Fauzi Arap que o introduziu nas artes cênicas.

Fauzi Arap nasceu em 29 de janeiro de 1938, iniciando suas atividades teatrais em 1961, tendo participado como ator dos grupos Oficina e Arena, naquela década. Como ator foi dirigido por grandes diretores como Augusto Boal, Zé Celso e Antonio Abujamra. Em 1967 estreia como diretor profissional, na montagem de Navalha na Carne, de Plínio Marcos, uma produção de Tônia Carrero. Após dirigiu inumeráveis peças teatrais todas coroadas de sucesso de público e crítica.

Todas essas informações foram contadas por Elias Andreato ao espectador após o término de sua representação. Descreveu o primeiro encontro ainda jovem com Fauzi Arap que ensinou à ele a arte da representação. falou do gênio irascível, das dificuldades que passou ao lado dele no relacionamento diário. Fauzi Arap era um gênio criativo, de sua mente nascia criações intelectuais endereçadas às suas produções dramatúrgicas. Era um homem recolhido, de pouca fala, áspero no trato, porém o acervo que produziu é considerado um dos melhores do teatro brasileiro.

Para avaliarmos a plenitude de Fauzi Arap na cena brasileira é fato histórico ter criado textos portentosos, dirigido os melhores atores e atrizes no palco e na área da televisão, ganho praticamente todos os prêmios que compões o caleidoscópio da cena brasileira.

Ao final da representação, da fascinante exposição narrando fatos históricos de seu mestre, ora bem humorados, ora trágicos, Elias Andreato foi consagrado com longa salva de palmas pelo público presente que lotava a sala do teatro Eva Herz.

Serviço:

  • Peça teatral: ARAP
  • Roteiro, Direção, Atuação: Elias Andreato
  • Trilha sonora: Rafael Gama
  • Incidência de luz: Eder Soares.
  • Uma produção Morente Forte Produções Teatrais – 11 3255-6183
  • Onde: Teatro Eva Herz (168 Lug.) – Livraria Cultura – Conj. Nacional – Av Paulista 2073
  • Tel. 11 3170-4059 – http://www.teatroevaherz.com.br
  • Horário: Sáb. 17h.
  • Quanto: Ing. R$40
  • Duração: 55m. – Recomendação: 12 anos
  • Monologo.
  • Avaliação: Excelente
  • Até: 07/12

dgtvmidia