Programação online de peças teatrais está recheada de opções

Foto: Marcelo Martin – Musical “Bertoleza”

Os amantes do teatro não foram deixados de lado nessa onda de programações online para curtir durante a quarentena. Mesmo em casa é possível conferir uma lista de solos, comédias, dramas e experiências interativas que podem ser acessados através do Zoom, Instagram e YouTube.

Adaptações de “O Cortiço”, de Aluísio Azevedo, e Hamlet, de William Shakespeare, além de peças que envolvem a temática da pandemia estão entre os conteúdos disponíveis.

PROGRAMAÇÃO

As Mariposas

Quando: até 25 de abril | De quinta a sábado, às 21h, e aos domingos, às 18h

Quanto: grátis ou até R$10 | compre aqui seu ingresso

Onde assistir: via Zoom (receba o link ao comprar/reservar o ingresso)

A veterana Cia. Os Satyros embarca mais uma vez em um futuro distópico em “As Mariposas”, de Ivam Cabral e Rodolfo García Vázquez, que também assina a direção da peça. Em 2121, um grande desastre ecológico destruiu o planeta. Não existem mais florestas e a maioria dos animais foi dizimada. A água é escassa, não chove há anos e o ar é muito pesado. Muitos trocaram o dia pela noite e vivem submetidos às loucuras de um ditador e seus 87 filhos, que se revezam no poder. No Beco de Alma de Vera, um elegante ponto de encontro da cidade, e no escritório, que trabalha exportando algoritmos, o tempo não parou.

Te Falo com Amor e Ira

Quando: até 25 de abril, aos sábados e domingos, às 21h

Quanto:  R$ 20 | garanta o seu ingresso aqui

Onde assistir: pelo YouTube | as instruções são encaminhadas por e-mail

O solo com atuação de Branca Messina e direção de Fernanda Bond narra o encontro de uma mulher e um homem através de uma videochamada. A relação atravessa dimensões de tempo e espaço, e expõe as engrenagens das relações homem-mulher ao longo da história. A mulher fala, o homem escuta. Da sua casa, através da câmera de seu celular, a personagem convida aquele homem, que é ao mesmo tempo seu interlocutor, a recontar de outra forma suas histórias, apresentando novos pontos de vista sobre temas como família, maternidade, sexo, trabalho e subjetividade.

Os Fins do Sono

Quando: até 9 de abril | De sexta a domingo, às 20h

Quanto: grátis | reserve seu ingresso aqui

Onde assistir: via Zoom (receba o link ao comprar/reservar o ingresso)

Imagina como seria trabalhar 24 horas por dia e 7 dias por semana? Pois esta é a realidade distópica retratada pela peça “Os Fins do Sono”, do Coletivo Cardume, a partir de questionamentos feitos pelo ensaísta americano Jonathan Crary no best seller “24/7 – Capitalismo Tardio e os Fins do Sono”.

No espetáculo online, uma cadeia de satélites em fase experimental passa a refletir a luz solar ininterruptamente sobre uma cidade grande, instaurando o fim da noite. Essa tentativa de aumentar a produtividade fez com que as pessoas passassem a trabalhar sem parar, confinadas em suas casas, por meio de uma videochamada eterna.

E o público acompanha o cotidiano de três funcionários de uma agência de seguros especializada em sinistros provocados por pessoas que sentem diretamente os efeitos desse novo cotidiano em seus corpos.

Os colaboradores buscam maneiras de se adaptar à nova rotina e relatam o aumento do número de acidentes. A peça tem dramaturgia de Luis Felipe Labaki, direção de Francisco Turbiani, desenhos feitos ao vivo por Roberto Zink e elenco formado por Juliana Valente, Marô Zamaro e Pedro Massuela.

Quando as Máquinas Param

Quando: até 20 de abril | Segundas e terças, às 20h

Quanto: grátis

Onde assistir: assista aqui

Escrita em 1967 pelo saudoso dramaturgo santista Plínio Marcos, a peça “Quando as Máquinas Param” ganha uma nova montagem pela Cia. Colateral, com direção de Kiko Rieser. A peça conta a história de Zé e Nina, um casal que nunca teve uma vida esbanjadora e ganhava dinheiro suficiente para pagar as contas da casa.

Quando Zé é demitido da firma onde trabalhava como operário, essa realidade muda drasticamente. Nem as costuras que Nina faz para senhoras ricas conseguem dar conta das despesas da família.

A desesperança do operário se transforma em um sentimento de humilhação e, depois, em uma revolta que afunda os dois na imobilidade e ameaça o casamento. O casal é interpretado por André Kirmayr e Larissa Ferrara.

Inimigos (e o Povo)?

Quando: até 30 de abril, às quintas e sextas, às 20h

Quanto: grátis

Onde assistir: no YouTube da Penélolope Cia de Teatro

Um dos textos mais conhecidos do teatro ocidental, “Um Inimigo do Povo” do norueguês Henrik Ibsen, ganha uma adaptação em formato online pelas mãos da Penélope Cia de Teatro.

A peça se passa em uma grande assembleia virtual online em que os habitantes precisam decidir o que fazer a respeito de uma grave denúncia sobre a situação sanitária da comunidade. Apoiar o Dr. Estevão, que afirma que as águas estão envenenadas, ou confiar no seu irmão Pedro, o prefeito, que garante que está tudo sob controle e que a cidade pode ter sua economia arruinada pelo alarmismo.

A população da cidade quer dar sua opinião e participar da decisão, mas tem dificuldade de ponderar entre os seus pensamentos e seus interesses, as informações vindas da mídia, as relações sociais e as políticas virtualizadas, em uma parábola dos dias atuais.

A direção e a dramaturgia são de Alexandre Krug e o elenco é composto por André Capuano, Cilá Fonseca, David Carolla, Demian Pinto, Erika Coracini, Liz Mantovani, Rafael Caldas, Rafael Carvalho.

Genealogia Celeste de Uma Dança

Quando: 12 de abril a 5 de maio, às segundas, terças e quartas, às 20h

Quanto: grátis

Onde assistir: pela Sympla Streaming | reserve seu ingresso aqui

O monólogo se passa um mês após o início da quarentena no Brasil. No auge do isolamento social, as ruas de São Paulo estavam em um silêncio sepulcral, quase como que em um faroeste dos anos 60, com bolas de feno voando.

De repente, o vazio da rua trouxe uma nova cor para a cidade. Sem explicação, o céu se transformou em um grande quadro colorido de rosa, lilás, e azul. No fundo, o amarelo alaranjado do sol se sobressaía. Isso aconteceu no dia 14 de abril de 2020. A população, em suas varandas e janelas, registrou o momento nas redes sociais através de fotos e sensações.

O texto é de Juliana Leite, a direção é Bruno Kott e o elenco é formado pelo Luciano Chirolli.

OFF HAMLET

Quando: 6 a 11 de abril, de terça a domingo, às 20h

Quanto: grátis

Onde assistir: no YouTube da companhia Práxis Arte

Por meio de uma estética documental, a conhecida tragédia do Príncipe Hamlet é comentada, narrada e interpretada por sete atores/atrizes: Hamlet tenta vingar a morte de seu pai, o rei, executado por Cláudio, seu irmão, que o envenenou e em seguida tomou o trono, casando-se com a rainha.

O espetáculo tem direção de Erick Gallani, codireção de Fernando Aveiro, direção de fotografia de Thiago Drummond, figurino de Rosângela Ribeiro e elenco formado por Débora Rios, Fernando Aveiro, Henrique Lanfranchi, Naiene Sanchez, Tamara Noleto, Thiago Cuimar e Vinicius Torres.

Bertoleza

Quando: 6 a 15 de abril, de terça à quinta, às 21h

Quanto: grátis

Onde assistir: no YouTube da Gargarejo Cia Teatral

Vencedor do Prêmio APCA 2020 na categoria Espetáculo, o musical “Bertoleza”, da gargarejo Cia Teatral, ganha uma nova temporada virtual.

É uma adaptação musical de “O Cortiço”, de Aluísio Azevedo, obra clássica da literatura naturalista brasileira, em que o protagonismo é invertido. A voz agora é de Bertoleza: mulher, negra e escravizada que se relaciona com João Romão, um português ambicioso e oportunista. Bertoleza é o dedo na ferida, é o nó expulso da garganta, a voz que pergunta: E a Bertoleza?

A direção e a adaptação são de Anderson Claudir, o dramaturgismo é de Le Tícia Conde e o elenco é formado por Lu Campos, Eduardo Silva, Taciana Bastos, Bruno Silvério e um coro.

Medeia em Faces

Quando: 10, 11, 17, 18, 24 e 25 de abril, às 20h

Quanto: grátis

Onde assistir: Sympla streaming | reserve seu ingresso aqui

“Medeia em Faces”, da Cia de Teatro Variante, traz de forma íntima o mito, até hoje recorrente em nossa sociedade, que desafia o tempo ao aproximar a mulher grega da mulher contemporânea provocando o paradoxo da razão versos emoção no público, ao julgar essa amante que oscila entre o mito e o humano.

Ela é a bruxa, a mãe e a dona de casa, um ser passional que usa todo o seu conhecimento para dar à Jasão, seu marido, o poder desejado e, em retribuição, é traída por ele. Sem família, sem rumo, ultrajada vai às últimas consequências, do amor incondicional à ira irreversível, ao assassinato dos seus filhos que ela tanto ama.

IRETI

Quando: 15 a 18 de abril, às 20h | 13 a 16 de maio, às 20h | 19 a 22 de junho,  às 20h | 17 a 19 de julho, às 20h

Quanto: grátis

Onde assistir: no YouTube da Cia Mungunzá de Teatro

Com a missão de dar voz às culturas afrodiaspóricas – que foram depreciadas ao longo da História -, a Cia. do Despejo estreia a videoarte online “IRETI”, inspirada no espetáculo de mesmo nome.

A narrativa é guiada por uma mãe preta inspirada na personificação de Nanã Buruku. Na história ela aparece como a mulher que pariu e levantou com seus braços o Brasil. País que a pretere, mata seus filhos e lhe relega a ingratidão e as sobras.

Vislumbrando este mundo onde suas crianças vivem numa realidade cruel de fome, violência e dor, ela deseja a matéria da criação de volta para si, buscando uma maneira de acabar com um mundo desequilibrado. Nana reivindica seus direitos a uma boca que fala e a mãos que curam e matam. Ela se assume como a terra aberta, pulsando e se preparando para voltar ao início.

O texto é de Ingrid Alecrim, a direção é de Thaís Dias e o elenco é formado por Breno Furini, Isamara Castilho e Jennifer Souza.

Alteridade

Quando: 16 a 18 e 23 a 25 de abril, às sextas e sábados, às 20h, e aos domingos, às 18h

Quanto: grátis

Onde assistir: na plataforma Sympla

Em “Alteridade”, a voz de uma mulher estuprada e sua trajetória de restabelecimento são o ponto de partida para a discussão sobre a ética que nos rege.

Durante sete unidades dramáticas denominadas “círculos”, ela narra a violência a que foi submetida, a tentativa de se restabelecer, a notícia da gravidez, a opção do aborto, a culpa, a ilegalidade de escolher, a dissociação entre lei e corpo e o rompimento com a velha mitologia patriarcal.

A voz dessa mulher perpassa as diversas camadas da Sociedade do Estupro e vai, pelo arquétipo de Alteridade, encontrando aberturas para a reconstrução de si.

O texto é de Maria Giulia Pinheiro, a direção de Gabriel Miziara e o elenco é formado por Carolina Fabri e Marina Vieira.

Colóquio com Personagens I

Quando: entre 16 e 18 e 23, a 25 de abril, às 20h

Quanto: grátis

Onde assistir: pelo YouTube de Flavia Bertinelli

Com direção de Cris Lozano e dramaturgia e atuação de Flávia Bertinelli, o espetáculo “Colóquio com Personagens I”, de Luigi Pirandello, trata da angústia do autor diante da entrada da Itália na Primeira Guerra Mundial, impossibilitando-o de organizar seu universo criador.

A presença e teimosia de uma das personagens, impedem-no de fugir à própria verdade e a escritura Pirandelliana, longe de ser um tipo de fuga, torna-se uma reflexão sobre seu próprio processo criativo.

Fonte: 2 Teatro online: confira grandes espetáculos o mês todinho

dgtvmidia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *