Mostra inédita celebra Bicentenário da Independência com exibição de 200 filmes

Imagem de reprodução

Em comemoração ao Bicentenário da Independência do Brasil, nos dias 2 e 3 de junho acontece a mostra inédita “200 anos da Independência em 200 filmes”. A abertura do evento acontece na próxima terça-feira, 3, às 19h, com a exibição do filme “Um Broto Legal”, dirigido por Luiz Alberto Pereira, que traz a cinebiografia da cantora Celly Campello.

A mostra será realizada de forma presencial e online e exibe uma seleção de cem curtas e cem longas-metragens nacionais.

“200 anos da Independência em 200 filmes” conta com obras de diversos períodos e movimentos tais como Cinédia, Vera Cruz, Chanchadas da Atlântida, Cinema Novo pioneiros, Cinema Marginal do Rio, Cinema Marginal de SP, Boca do Lixo, Pornochanchadas, Cinema da Embrafilme, Novo Cinema Paulista, Cinema da Retomada, além da produção atual. A produção brasileira de curta-metragem também é extensa, com destaque para a produção do final dos anos 1980 e início dos 1990.

As sessões virtuais acontecem gratuitamente através da plataforma #CulturaEmCasa, gerida pela Amigos da Arte, e as presenciais no Cine Petra Belas Artes, na região central de São Paulo, a preços populares (de R$ 4,00 e R$ 2 – meia entrada). 

“A mostra de cinema realizada pelo Cine Petra Belas Artes e pela plataforma #CulturaEmCasa integra o programa Brasil 200, feito pelo Governo do Estado de São Paulo para celebrar o Bicentenário da Independência e estimular a reflexão sobre o que essa data significa para os brasileiros. Estamos viabilizando mais de 100 atividades por meio das instituições e programas de cultura estaduais, além da Agenda Bonifácio, que traz toda a programação relacionada ao assunto. Trata-se de um dos principais marcos da história do Brasil. O cinema é uma das expressões culturais mais relevantes e potentes do nosso país e tem uma incrível capacidade de nos representar e encantar. Nada mais significativo do que apresentar ao público, dentro da comemoração do Bicentenário, uma mostra retrospectiva que refaz a trajetória do nosso cinema, com clássicos de todos os movimentos, estilos e gêneros.”, afirma o Secretário de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, Sérgio Sá Leitão.

O Brasil é um dos países com filmografia mais antiga e contínua do mundo. A primeira exibição aconteceu em 1896, no Rio de Janeiro. Dois anos depois, Afonso Segreto produziu um documentário curto com cenas da Baía de Guanabara, considerado o marco zero da produção nacional. Desde então, mesmo enfrentando algumas crises graves, a produção foi continuada.

Para a programação completa, acesse a plataforma www.culturaemcasa.com.br ou o site do www.cinebelasartes.com.br

dgtvmidia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.